I PALESTRAS

1 - Alfabetização e letramento: pontos e contrapontos

Os apelos do nosso mundo indicam que não basta mais saber ler e escrever; é preciso tornar-se um efetivo usuário da escrita. Contrariando este princípio, muitas práticas alfabetizadoras insistem na aprendizagem instrumental, fazendo prevalecer na escola atividades de codificação e decodificação. Por outro lado, as tentativas de transposição pedagógica dos projetos de letramento na escola sofrem distorções. Pautada nesta problemática, a palestra visa analisar os conceitos de alfabetização e letramento, discutindo suas relações e implicações para a prática pedagógica.

2 - Ensino da língua escrita: alfabetizar para quê?

Ao repensar o tradicional conceito de alfabetização, a palestra pretende enfocar 10 grandes metas a partir das quais o ensino da língua ganha sentido na escola: a formação do ser social, comunicativo, falante, produtor de texto, leitor, intérprete, revisor, estudante, pensante e pesquisador. Assim, superando a perspectiva mecânica e instrumental da aprendizagem, postula a escrita como eixo privilegiado na edificação do ser humano.

3 - Educação Infantil: é possível aprender a ler e escrever?

O tema da alfabetização na Educação Infantil sempre foi polêmico porque, se por um lado, alguns educadores defendiam a necessidade de preparar o aluno para a leitura e a escrita já neste segmento, outros insistiam na intervenção de caráter menos diretivo, que explorasse prioritariamente atividades artísticas, sociais e recreativas. Superando a abordagem dicotômica, a compreensão do ensino da língua escrita como inserção do sujeito no universo letrado reconfigura a prática pedagógica na infância, trazendo novos desafios ao educador. A constituição de um ambiente alfabetizador no âmbito escolar justifica-se por modalidades de intervenção que possam, simultaneamente, respeitar a condição sociocultural dos alunos e desafiá-los para a aventura cognitiva de compreender o mundo, ampliando seus recursos comunicativos.

4 - Entre o desenhar e o escrever: para onde vai o potencial expressivo de nossos alunos?

Ao longo da trajetória escolar, muitos alunos aprendem a escrevem, mas têm dificuldades de se expressar. Não raro, eles escrevem, mas deixam de desenhar; escrevem, mas deixam de dizer; escrevem, mas evitam as atividades de leitura e escrita. Defendendo a educação das múltiplas linguagens, a palestra tem como objetivo analisar as relações entre o desenho e a escrita, discutindo as tendências do fracasso e as implicações pedagógicas.

5 - Modelos de ensino e o socioconstrutivismo na prática pedagógica

Partindo do princípio de que a prática pedagógica é tributária de concepções acerca da sociedade, do ser humano e da educação, o objetivo do encontro é situar os fios epistemológico que regem essas relações em diferentes modelos de ensino: empirismo, inatismo e construtivismo. Com base nesse paradigma, a compreensão dos processos cognitivos e dos fatores neles interferentes é o melhor aval para se repensar o papel do professor e os desafios da prática pedagógica construtivista. Afinal, como aproximar os processos de ensino e aprendizagem

6 - A formação de professores na realidade da prática escolar

Muito frequentemente as explicações para a indisciplina, a apatia dos alunos e o fracasso escolar recaem sobre a suposta incompetência do professor – seu despreparo ou desmotivação – sem considerar a problemática na sua perspectiva mais ampla. Na tentativa de ampliar a compreensão deste tema, a palestra tem como objetivo analisar as relações entre a formação continuada e a realidade da vida escolar a partir dos seguintes eixos de abordagem: o eu profissional, as condições de trabalho, as relações na escola e a construção da prática pedagógica.

7 - Um tributo à Emilia Ferreiro: a abordagem construtivista no ensino da língua escrita

Indiscutivelmente, Emilia Ferreiro e os estudos por ela liderados representaram um divisor de águas no modo como se compreende o processo de alfabetização, as práticas de ensino e o papel do professor. Ao lado das indiscutíveis contribuições teóricas e das relevantes diretrizes para a intervenção pedagógica, persistem ainda dificuldades e resistências para a transposição didática. Por isso, 30 anos após a publicação dos primeiros estudos sobre a psicogênese da língua escrita, vale a pena perguntar; para onde vai o construtivismo no Brasil?

8 - Trajetórias de vida na escola: entre o instruir e o educar

Entendendo a vida escolar como algo que supera a transmissão de conteúdos, a palestra tem como objetivo situar a trajetória da vida estudantil como um longo processo formativo. Neste sentido, vale a pena considerar: como se configura o desafio educacional da escola e quais são os seus desafios? Como explicar os focos de tensão entre a escola e o aluno? O que a escola representa para os estudantes de diferentes faixas etárias e quais as suas perspectivas de trabalho educativo?

9 - A construção do fracasso escolar: por que é tão difícil ensinar?

Rechaçando as explicações tradicionais e reducionistas sobre os problemas do ensino ou os problemas de aprendizagem, a palestra tem como objetivo analisar a complexidade do fracasso escolar com base nas relações entre o mundo e o aluno, o mundo e a escola, a escola e o aluno. Afinal, qual é a razão que os alunos têm pra aprender? O que a escola deveria ensinar? Como os vínculos dos estudantes com a escola ou com os professores podem afetar o processo de aprendizagem?

10 - Sentidos da alfabetização nas práticas educacionais

A palestra tem como o objetivo situar as dimensões linguística, cognitiva, pedagógica e sociocultural do aprender a ler e escrever. Com base nesta abordagem, pretende-se ampliar a compreensão dos processos de ensino e aprendizagem e dos mecanismos de resistência ao saber e, desta forma, favorecer a reflexão sobre o papel do professor em sala de aula e sobre as diretrizes da ação educativa.

11 - Alfabetização: dos processos de aprendizagem aos desafios da prática pedagógica

Partindo da compreensão do “o que se ensina quando se ensina a ler e escrever” e do “como se aprende a ler e escrever”, a palestra visa ampliar o debate sobre as relações entre o ensino e a aprendizagem e, por essa via, situar os desafios da prática pedagógica no contexto da sociedade letrada.

12 - Família, qual o teu papel na vida escolar?

Ao criticar os mecanismos de tensão típicos da relação família e escola e, ainda, defender a educação como um projeto de parceria em longo prazo, a palestra tem por objetivo situar as especificidades dos diferentes momentos da trajetória escolar, discutindo, a partir deles, o papel da família na edificação pedagógica e social de nossas crianças e jovens.

13 - Processos de leitura e de produção textual na escola

Tomando como base os processos cognitivos relacionados à leitura e produção textual, a palestra visa discutir as práticas do ensino da língua escrita na escola, buscando a relação entre o ensino e a aprendizagem. Afinal, é possível ensinar a ler e escrever na escola?

14 - Alfabetização e letramento na Educação Infantil

A palestra tem como objetivo colocar em evidência as dimensões linguística, cognitiva, sociocultural e pedagógica do processo alfabetização a fim de situar a prática pedagógica na Educação Infantil.Afinal, o que ensinamos quando ensinamos a ler e escrever? Como se aprende a ler e escrever? Para que se aprende a ler e escrever? Como se ensina a ler e escrever?

15 - Indisciplina na escola: compreender para interferir

Ao descartar explicações reducionistas sobre os problemas de comportamento na escola, a palestra tem como objetivo refletir sobre a indisciplina a partir dos planos conceitual, psicológico, psicossocial e sócio-histórico. Assim, mais do que situar o tema em função das características da adolescência, importa compreender a complexidade de um contexto que favorece focos de tensão e mecanismos de reação na escola. Indiscutivelmente, esse é o melhor caminho na busca de intervenções educativas.

16 - Para onde vai a profissão docente?

A palestra se propõe a analisar a constituição docente em face das complexas condições profissionais, perspectivas de trabalho, posicionamento pessoal e desafios da prática pedagógica.

17 - Leitura na escola: concepções, competências e implicações pedagógicas

Partindo da revisão das concepções de leitura, a palestra tem por objetivo por em evidência as competências vinculadas ao complexo processo de interpretação e construção de sentidos do texto. Nesta perspectiva, coloca em pauta os desafios do educador que, ao longo da trajetória escolar, deve investir no processo de letramento, visando a aprendizagem da leitura e a própria formação do leitor.

18 - A prática docente no contexto da sociedade digital globalizada

Considerando a configuração de um novo mundo, marcado por novos e velhos problemas sociais, a palestra tem como objetivo situar os desafios da prática docente a partir da revisão do papel do conhecimento, da introdução das novas tecnologias no âmbito escolar e dos impasses na relação entre professores e alunos.

19 - Desafios docentes na construção de relações educativas

A palestra tem como objetivo problematizar as tensões nas relações entre professores e alunos, mostrando seus diversos modos de ocorrência na escola a fim de situar as diretrizes para a superação do problema em diferentes fases da vida estudantil.

20 - Educação: desafios em 7 pontos capitais

Considerando a complexidade da educação e os apelos de nosso mundo, a palestra tem como objetivo enfocar as dimensões filosófica, ética, psicossocial, pedagógica, didática, metodológica e profissional da vida escolar para que se possa repensar os desafios dos professores.

21 - Diversidade Cultural, desenvolvimento e aprendizagem

A aula tem o objetivo de situar, no âmbito dos estudos da Psicologia, três modos de se interpretar as diferenças individuais e culturais, e suas implicações para o processo educativo. Ao aprofundar na abordagem histórico-cultural, é possível compreender as bases culturais da aprendizagem e do desenvolvimento humano, um referencial que amplia o entendimento sobre a realidade das escolas brasileiras. A esse respeito, vale perguntar: como a escola leva em consideração o universo cultural de seus alunos? Como as pessoas aprendem a partir de seu universo cultural?

22 - O desafio de reinventar a escola: em busca de novas formas de ensinar e de aprender

Partindo de uma análise dos movimentos da web na sua relação com as práticas de ensino, a palestra pretende problematizar a apropriação que a escola faz da tecnologia, chamando a atenção para os dois extemos: o risco de um ensino superado e o risco da idolatria à informática. Para complementar, apresenta diretrizes de trabalho e exemplos práticos.

23 - Gestão de conflitos na escola

Partindo da distinção entre conflito e confronto, a palestra tem o objetivo de discutir as relações na escola pela análise dos seguintes focos de tensão: 1º) conflitos do professor; 2º) conflitos professores-escola; 3º) conflitos escola-famílias; 5o) conflitos educadores e alunos; 6º) conflitos professor-alunos; 7º) conflitos entre alunos. Para finalizar, procura apresentar algumas diretrizes de encaminhamento, enfatizando aspectos pontuais corretivos e preventivos.

24 - Alfabetização: o quê, por quê, quando e como

A palestra tem como objetivo discutir a complexidade da alfabetização a partir de suas dimensões linguística, sociocultural, cognitiva e pedagógica. Afinal, o que ensinamos quando ensinamos a ler e escrever? Por que e para que ensinamos a ler e escrever? Como se aprende a ler e escrever? Quando e como ensinar a ler e escrever? Com base nestes questionamentos, pretende-se situar não apenas as diretrizes de ensino como também as implicações pedagógicas.

25 - Inteligências múltiplas e inteligência emocional

Com o objetivo de promover o autoconhecimento, tão importante na vida social e profissional dos jovens, a palestra visa apresentar as inteligências múltiplas e discutir os conceitos de inteligência emocional e fluxo. Com base nesses referenciais, promove uma sondagem das inteligências individuais, a partir da qual chama-se a atenção para a complexidade na constituição de cada pessoa e suas implicações para a opção profissional.

26 - Organização do ensino no processo de alfabetização

A palestra tem como objetivo analisar diferentes planos de organização do ensino, particularmente, no que diz respeito ao planejamento das práticas de alfabetização. Para tanto, coloca em evidência aspectos indissociáveis quem merecem a consideração do professor: conceitual, procedimental, operacional e avaliativo.

27 - Os sentidos da não-aprendizagem

Com o objetivo de captar os sentidos do fracasso escolar, a palestra visa apresentar a complexidade dos quadros que sustentam a não-aprendizagem, buscando captar o vínculo dos estudantes com a escola e a relação que eles estabelecem com o processo de aprendizagem ou com os diferentes campos de conhecimentos. Com base nesse referencial, aponta diretrizes para a prática pedagógica com alunos em recuperação.

28 - Alfabetização em tempos de pandemia

No ano de 2020, educadores e pais foram surpreendidos pelo cenário inédito do ensino remoto e, posteriormente, pelo ensino híbrido. No enfrentamento das dificuldades encontradas para a construção de modalidades alternativas de ensino e aprendizagem, quatro pontos merecem destaque: a relação da escola com as famílias, a organização institucional, a ressignificação do ensino da língua e o atendimento aos alunos. Compreender cada um desses aspectos é o melhor aval para lidar com o contexto escolar inusitado, buscando diretrizes para a prática pedagógica.

29 - A produção de pesquisas no Ensino Médio

Como o propósito de apoiar professores no estímulo à pesquisa e projetos de Iniciação Científica, a palestra volta-se para docentes, coordenadores e alunos, não só apresentando os objetivos de tais propostas e etapas de trabalho, como também, partilhando desafios e experiências vividas.

II CURSOS PARA EDUCADORES OU GRUPOS DE ESTUDOS

(a partir de 5 horas)

  • a) Alfabetização e letramento na Educação Infantil e Séries Iniciais
  • b) Psicologia da educação para professores: da construção do conhecimento à constituição das relações na escola
  • c) A língua na escola: concepções, processos cognitivos e implicações pedagógicas
  • d) Desenvolvimento e aprendizagem: aportes teóricos e implicações para as práticas pedagógicas

III PALETRAS PARA PAIS E FAMÍLIAS

1 - A linguagem na educação de nossos filhos

Em um mundo onde a tecnologia encurtou as distâncias e ampliou os canais de comunicação, a linguagem faz parte de um importante instrumental de emancipação social e sobrevivência. Lamentavelmente, os mesmos recursos que libertam o sujeito podem aprisioná-lo. Por isso, mais do que nunca é preciso investir no desenvolvimento do potencial expressivo de nossos filhos. Ao considerar o desenvolvimento do conjunto das linguagens na infância e adolescência, a palestra pretende chamar a atenção para as várias dimensões desse processo: o dizer e o pensar, o trânsito entre as várias linguagens, a fala como construção de saberes e significados, a palavra no jogo da manipulação.

2 - Limites: para onde vai a liberdade de nossos filhos?

Considerada um dos maiores problemas da juventude, a indisciplina é, indiscutivelmente, um desafio para todos aqueles que se preocupam com a educação. Quais os significados dos problemas de comportamento? Como e por que eles aparecem? Impor limites é necessariamente reprimir a liberdade para domesticar o sujeito?

3 - Trajetórias educacionais de nossos filhos

Considerando a longa trajetória da Educação Infantil ao Ensino Médio, a palestra tem o objetivo de problematizar a especificidade de cada segmento e, em função das prioridades desafios e dilemas de cada faixa etária, discutir o papel dos pais e familiares no apoio às crianças e aos adolescentes.